SECRETÁRIO JEFFERSON PORTELA E CÚPULA DE SEGURANÇA REALIZAM ATO NACIONAL CONTRA A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E FEMINICÍDIO

O Secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, acompanhado da Cúpula de Segurança Pública do Maranhão participou na manhã desta sexta-feira (20), no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar, da Operação Maria da Penha, que está sendo realizada em todo o país.

O objetivo do ato é reforçar as ações de prevenção e combate à violência contra a mulher, motivadas por questões de gêneros, dos órgãos de segurança, além de encorajar mulheres que foram vítimas desse tipo de crime a denunciarem.

Estiveram presentes no evento, o comandante geral da Polícia Militar, Coronel Pedro Ribeiro, a Coordenadora das Delegacias da Mulher no Maranhão, Delegada Kazumi Tanaka; a Delegada do Departamento de Feminicídio, Wanda Moura, a Comandante da Patrulha Maria da Penha, Coronel Augusta Andrade, o Superintendente de Polícia Civil da Capital, Delegado Carlos Alessandro, entre outras autoridades.

O Maranhão é pioneiro em iniciativas de combate à violência doméstica e feminicídio no Brasil. O Estado é o único do país que conta com um Departamento de Feminicídio, que está subordinado à Superintendência de Homicídios e que tem, entre as suas atribuições, investigar os crimes de feminicídio tentados e consumados, tornando mais céleres e mais eficientes as investigações desses crimes.

O Estado é também um dos poucos do país, que conta com uma Coordenação das Delegacias da Mulher, responsável por monitorar e acompanhar especificamente os casos envolvendo violência doméstica e feminicídio, além da Patrulha Maria da Penha, que garante segurança ás mulheres vítimas de violências ou que estejam com medida protetiva.

Em sua fala, o Secretário Jefferson Portela destacou a importância da ação.

“Esse ato é de suma importância para que as mulheres do nosso Estado saibam que o Sistema de Segurança Pública, aí incluindo a Polícia Militar, a Polícia Civil, o Corpo de Bombeiros e a Perícia, estão integrados e agindo diariamente para dar toda a assistência que essas mulheres precisam para que elas se livrem dessa triste realidade”, afirmou.

Deixe uma resposta